quarta-feira, 2 de novembro de 2016

GOSTO MUITO DE TE VER...

                                                                                                G1/Rota do Sol
            Sempre tive medo de leões. O olhar de poucos amigos...

            O rugido assustador. A mordida fatal... 

            Mas não deste leão. O leão da praia. Leão de cimento.

            Estátua tão amiga quanto antiga.  Reinando no meio do jardim.

            Impávido e sereno, o leão da praia está lá há mais de setenta anos.

            Assistindo a chuva, a ressaca, os fortes ventos. A noite nublada, a madrugada

            estrelada e os primeiros raios da manhã...

            Mas é no destino da estátua, pesada e dura, que sinto toda a ternura.

            Fico imaginando o brilho no olhar de cada uma das crianças. Milhares delas
 
            ao longo de tantos anos, com sorrisos iluminados, erguidas pelos pais para
 
            o grande momento: montar o rei das selvas e com as mãozinhas pequeninas
 
            afagar a grande juba de cimento!

            A alegria perpetuada nas fotos dos filhos, que já se tornaram pais, e já levaram
 
            seus netos e bisnetos e tantos mais...

            O leão da praia mora na lembrança de todos nós, crianças, de todas as gerações.

            Mas foi numa dessas noites de luar, feitas para poeta se apaixonar, que vi, ali,

            em frente ao leão da praia, um louco solitário, insistente e comovente a cantarolar ...

           - Gosto muito de te ver, Leãozinho!!! De tocar sua juba...

            Talvez ninguém tenha percebido o seu canto e todo o seu desatino...    

            Mas o Leão, ciente da sua função, escutava calado,

            aquele louco desvairado que só queria encontrar alguém no caminho!  

            E eu, que já desconfiava destas estátuas antigas...

            agora tenho certeza.

            Elas escutam os loucos. As crianças. E as cantigas!


      *                              *                             *                                *                             *

              Nesta semana, estréia da "RESENHA DO MÊS" , parceria com a Chiado Editora!
               Aguarde!

4 comentários:

  1. Saudade boa. Ainda bem que ainda da pra matar essa saudade. Ninguém teve ideia de tira-lo de lá. Justiça seja feita: a companheira dele, a leoa da praia, também está lá e era o complemento para as fotos. Belo casal de cimento sentimental.

    ResponderExcluir
  2. Saudade boa. Ainda bem que ainda da pra matar essa saudade. Ninguém teve ideia de tira-lo de lá. Justiça seja feita: a companheira dele, a leoa da praia, também está lá e era o complemento para as fotos. Belo casal de cimento sentimental.

    ResponderExcluir