quarta-feira, 31 de agosto de 2016

O FIM DA COCADA

                                                                                                  foto: Veja/SP
             
         Dona Jana era baiana, das boas. Toda redonda. Peito boludo e traseiro avantajado,

         desses que levantam a saia branca quando anda. Vendia cocada na praça da Biquinha.

         Não tinha quem não a conhecia. Cliente então, noite e dia!

         Toda de branco e fitinha do Bonfim, sabia cantos em nagô e pedia sempre aos orixás

         que abençoassem suas mãos divinas e cada filho novo, que todo ano vinha.

         Foram cinco doces mulatinhos que ela foi fazendo, junto com o coco queimado,
 
         tradição e segredo.

        O tempo, porém, foi passando. O cabelo da Jana branqueando e a pracinha que era

        doce, foi se acabando...

        Pulando de canto em canto e com o coração sangrando, Dona Jana foi aos poucos

       se desmontando... Agora idosa e magrela, viu indo embora toda sua clientela....

       Nem a tradição sobreviveu!

       Não veste branco e não tem mais fitinha.

       Brigou com o orixá e com as vizinhas.

       E nem tem mais doces na pobre Biquinha!

       Aonde ela foi parar?

       Dona Jana agora tem whatsapp e montou um web site.

       E por pura ironia, fica em frente de uma academia,

       quem diria...

       vendendo cocadas diet!


 *                  *                  *                      *                       *                      *                   *                *

                   E quem ganhou o livro infantil " Era uma vez uma coisinha" foi...
                   Fernanda Gardino!
                   Mês que vem tem mais sorteio!  Escreva "Eu quero"
                                                                       no seu comentário e boa sorte!

12 comentários:

  1. Texto Lindo. Retrato dos tempos atuais. Saudades das "biquinhas" da nossa juventude. "Eu quero"

    ResponderExcluir
  2. humpf...
    lembrei de tudo, dos passeios com meus pais à geração das minhas filhas quase trintonas! Pra minha neta ficam as lembranças do vovô.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bacana Hebreu.. obrigada pela leitura!

      Excluir
  3. Tudo fechado, com tapumes, há mais de ano, à espera de um novo alcaide. Enquanto isso, as tradições vão se perdendo... Belo texto, Inês

    ResponderExcluir
  4. Tudo fechado, com tapumes, há mais de ano, à espera de um novo alcaide. Enquanto isso, as tradições vão se perdendo... Belo texto, Inês

    ResponderExcluir
  5. Como a dona Jana se modernizou e está com tudo nas redes sociais, só falta as cocadas serem virtuais, né mesmo, vizinha fofa? Mas, falando sério que pena, né? Era uma das poucas tradições que vinham sobrevivendo em São Vicente...

    ResponderExcluir
  6. Nossa Biquinha.....que triste....quem a resgatará? Quem?....
    Parabéns pelo texto Inês!

    ResponderExcluir
  7. Nossa Biquinha.....que triste....quem a resgatará? Quem?....
    Parabéns pelo texto Inês!

    ResponderExcluir
  8. Pois é... Saudades dos tempos que íamos comer doces na Biquinha... Passeio de domingo... Era bom... Belo texto! Beijão!

    ResponderExcluir
  9. Pois é... Saudades dos tempos que íamos comer doces na Biquinha... Passeio de domingo... Era bom... Belo texto! Beijão!

    ResponderExcluir