quarta-feira, 24 de agosto de 2016

EU TÔ NA LANTERNA...

                                                                                            Foto: Tony Lamers
            Penha fica no litoral catarinense e conserva, ainda, a simplicidade
            que encanta.
            Praias belas e rústicas. E recantos de pescadores...
            Foi lá, num tímido farol noturno, que um misto de solidão e música
            ecoou nos meus ouvidos. Uma das minhas letras favoritas: lanterna dos afogados!
            Confesso que sempre tive dúvidas se o local descrito por Herbert Viana
            era real ou uma metáfora usada pelo poeta, simbolizando uma luz no fim
            do túnel de quem está perdido num mar de incertezas.
            Só mais tarde descobri que a “lanterna dos afogados” é nome de um bar,
            no livro Jubiabá de Jorge Amado. Lugar onde as mulheres dos pescadores esperavam
            seus maridos, com lanternas nas mãos, na ânsia de ajudá-los a achar o caminho de
            volta.
            Sofridas e desesperadas, elas mantinham acesa a esperança de ver seu amor voltar...
            Quase nunca voltavam.
            E me vi assim, por um minuto, ali, naquele farol noturno, esperando
            por uma embarcação...
            Medo e esperança, contraditórios e presentes.
            E foi nessa delicada e instável gangorra,
            inspirada pela poesia e a luz, de Herbert,
            que cantei baixinho...
            ... vê se não vai demorar!!!.

 

 

 *                 *               *                     *                    *                   *                   *                 *
 
                                 Na semana que vem , tem mais um sorteio do livro infantil
                                 "Era um avez uma coisinha". Escreva "Eu quero" no seu comentário
                                                                 e boa sorte!!!   

4 comentários:

  1. Aprendi mais essa!
    Parabéns Hebert!
    Parabéns Inês!

    ResponderExcluir
  2. Aprendi mais essa!
    Parabéns Hebert!
    Parabéns Inês!

    ResponderExcluir
  3. Espero que as "lanternas dos Afogados", as que ficam nas mãos das mulheres, nunca se apaguem!
    Parabéns, Herbert!
    Parabéns, Inês, pelo seu coração sensível!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A chama do amor não se apaga... Obrigada, Carlos!!!

      Excluir